O que é crioterapia?

A crioterapia e a sua história

A crioterapia de corpo inteiro, tal como a conhecemos, foi desenvolvida no final dos anos 70 no Japão pelo Dr. Toshima Yamauchi. Este médico encontrou um método de arrefecer a superfície do corpo utilizando azoto no estado gasoso, evitando congelar a zona subcutânea. O Dr. Yamauchi utilizou esta técnica com fins terapêuticos para tratar pacientes com artrite reumatóide.

Os antigos egípcios já utilizavam terapias de frio como tratamentos de beleza e bem-estar. A sua eficácia tem vindo a ser demonstrada ao longo do tempo. Diminuir a temperatura da superfície da pele conduz à libertação de endorfinas, produzindo uma sensação de bem-estar e alívio da dor.

As investigações levadas a cabo nas últimas duas décadas, especialmente na Europa e na Alemanha (Dr. Fricke) e na Polónia (Dr. Zagrobelny), confirmaram a eficácia terapêutica da crioterapia em diversas áreas. As principais linhas de investigação relacionam-se com o tratamento da dor e de distúrbios músculo-esqueléticos.

Em Espanha, a TIME desenvolveu a Cryosense. A cabina de crioterapia mais avançada do mercado. Criámos o sistema de Tecnologia de Contraste Térmico (Sistema TCT). Este sistema combina frio e calor, a fim de aumentar os benefícios do tratamento.

Cryosense El Origen de la Crioterapia

Uma diminuição da temperatura da camada exterior da pele contribui para libertar as endorfinas, reduzindo assim a inflamação e a sensibilidade à dor.

O que é a crioterapia?

A crioterapia consiste na exposição da superfície corporal a temperaturas muito baixas (entre -110º a -196ºC), durante um curto período de tempo (de 2 a 4 minutos). Isto é possível graças à utilização de azoto líquido evaporado, sempre num ambiente controlado e sob supervisão médica. São usadas condições de frio extremas para criar uma resposta do corpo. Esta resposta tem três níveis: circulatório, muscular e neuroendócrino.

A redução da temperatura superficial da pele estimula os termorrecetores (sensores que reagem com estímulos frios). Os termorrecetores enviam um sinal ao cérebro a fim de gerar uma resposta como um mecanismo de defesa para a situação de hipotermia iminente.

Crioterapia con Cryosense

Como é que a crioterapia afeta o organismo?

A aplicação de frio em crioterapia envolve a espinal medula. Desta forma, o efeito é produzido em todo o corpo. Em contraste, a crioterapia localizada é limitada a alguns segmentos da medula, de modo que o efeito se localize essencialmente na área de aplicação.

Principais efeitos da crioterapia

  • Um efeito analgésico: a crioterapia tem demonstrado grande eficácia no tratamento da dor aguda e crónica. Este é o caso de pacientes com fibromialgia. O frio extremo da crioterapia diminui a velocidade de condução do nervo e inibe fibras nociceptivas, ajudando a reduzir a sensação de dor.
  • Efeito anti-inflamatório: a crioterapia tem uma influência no processo inflamatório semelhante à explicada no caso do alívio da dor. A aplicação de frio extremo sobre a pele provoca uma redução da hiperfusão dependente de inflamação através da vasoconstrição. Também provoca a dessensibilização dos nociceptores, uma redução do tónus muscular e uma redução de mediadores de inflamação.
  • Ativação metabólica: o frio extremo gerado no interior da cabina produz algumas reações do organismo a fim de compensar a diminuição da temperatura da superfície exterior da pele. Ativa o metabolismo e a mobilização de gorduras acumuladas. Pode queimar entre 200 a 800 quilocalorias por sessão. A perda de quilocalorias não sucede apenas durante os três minutos da aplicação de frio, mas também durante as seis horas que se seguem.
  • Relaxamento: a crioterapia promove a libertação de endorfinas e serotonina, bem como de outras substâncias naturais que produzem uma sensação de bem-estar e ajudam a combater o stress.
O efeito de choque produzido pelo frio extremo gera os seguintes efeitos:
  • Produz uma vasoconstrição seguida de uma vasodilatação. Devido ao frio extremo, o cérebro envia um sinal para transportar sangue para os órgãos vitais. O sangue é então enriquecido com oxigénio e outros nutrientes e as toxinas são purificadas. Depois de sair da criosauna, ocorre a vasodilatação: o sangue enriquecido regressa aos sistemas periféricos do corpo.
  • Liberta substâncias como endorfinas, que produzem uma sensação de bem-estar.
  • Através de mecanismos neuroreflexivos, são obtidos resultados positivos em termos da sensibilidade à dor e de processos inflamatórios.
Que aplicações tem a crioterapia? Desporto, Saúde, Estética, Bem-Estar

DESPORTO Potencia o desempenho físico do atleta. Ajuda à recuperação muscular depois do treino. Além disso, promove o equilíbrio mental do atleta. Ver mais.

ESTÉTICA Favorece o aumento das calorias queimadas e a redução da celulite. Ajuda a controlar o excesso de peso. Rejuvenesce e melhora a qualidade da pele. Oxigena as células e contribui para a eliminação de toxinas. Ver mais.

SAÚDE Ajuda a aliviar a dor, tanto aguda como crónica. Contribui para uma melhoria funcional das articulações. Tem um efeito anti-inflamatório sobre o corpo humano. Ver mais.

BEM-ESTAR Favorece a libertação de endorfinas e serotonina. Ambas são substâncias naturais que criam uma sensação de bem-estar. Aumenta o nível de energia. Reduz o stress. Ver mais.

Como funciona a crioterapia sobre a dor crónica? Quanto tempo dura?

Como explicado acima, o frio tem um grande poder analgésico e a crioterapia, ao contrário da aplicação de frio localizado, envolve toda a espinal medula fazendo com que o efeito seja mais amplo. Uma estadia de três minutos no interior da cabina de frio pode inibir e reduzir a dor crónica durante várias horas. Após uma série de sessões, o efeito é multiplicado e a dor é aliviada durante várias semanas. As fibras nervosas responsáveis por enviar a sensação de frio para o cérebro são mais rápidas do que as responsáveis pelo envio de sinais de dor. Quando as duas vias nervosas são excitadas, dá-se uma competição entre elas. A mais rápida inibe a ação da mais lenta, de modo que o corpo identifica o impulso frio mais urgente, inibindo os sinais de dor. Dessensibiliza ou mesmo desativa os nociceptores, reduzindo a capacidade de detetar estímulos de dor.

Como é que o efeito anti-inflamatório surge por meio da crioterapia?

A crioterapia modifica funções de defesa sistémicas reguladas a nível central, incluindo o processo inflamatório localizado. A inflamação é um processo fisiológico de cura do corpo; é essencial e necessário para a proteção de tecidos saudáveis e para a reparação dos tecidos danificados. Como consequência da sua aplicação, produz:

  • Efeitos vasomotores. Ao aplicar frio sobre a superfície corporal, produz-se uma vasoconstrição cutânea. Também se observa uma redução no fluxo sanguíneo ao nível das articulações. A esta fase segue-se uma vasodilatação dos vasos profundos (fenómeno de Lewis), a qual favorece a drenagem linfática.
  • Efeitos metabólicos. Há uma diminuição no consumo de oxigénio e uma diminuição do metabolismo na área afetada. Isto provoca a redução da secreção de mediadores inflamatórios, reduzindo também a dor.
  • Efeitos sensório-motores. O frio reduz o limiar da dor dos nociceptores e diminui a velocidade de condução do nervo.
  • Efeitos neuromusculares. O frio provoca uma redução da espasticidade. Produz-se por meio de dois mecanismos: em primeiro lugar, a diminuição da hiperatividade gama e em segundo lugar, a diminuição do fuso muscular. Este processo produz uma redução do tónus muscular e interrompe o ciclo espasmo-contraturador.

Como é que a crioterapia atua a nível metabólico?

A crioterapia provou ser eficiente no tratamento da celulite, flacidez e acumulação de gordura. O frio extremo gerado no interior da cabina de crioterapia provoca uma reação no organismo a fim de compensar a diminuição da temperatura da superfície corporal. Produz uma ativação do metabolismo e uma mobilização das gorduras acumuladas. Podem ser queimadas entre 200 e 800 quilocalorias numa sessão.

Que substâncias são libertadas e quais são os efeitos produzidos no corpo pela crioterapia?

As principais substâncias libertadas pelo organismo são endorfinas e serotonina. As endorfinas são neuropeptídeos libertados através da espinal medula e da corrente sanguínea. As endorfinas promovem uma sensação de calma e um estado geral de bem-estar. Melhoram o humor e aliviam a dor. Retardam o processo de envelhecimento e potenciam o funcionamento do sistema imunológico. As endorfinas também neutralizam níveis elevados de adrenalina associados a ansiedade.
A serotonina é um neurotransmissor localizado em diferentes regiões do sistema nervoso central que se correlaciona com o estado emocional. Intervém, para além disso, na regulação do apetite. Influencia o desejo sexual e a atividade motora. A serotonina favorece o sono descansado. A serotonina beneficia as funções percetivas e cognitivas.

A crioterapia tem contra-indicações?

  • Como regra geral, a sua utilização não é recomendada a pessoas com doenças cardíacas.
  • Se pretender fazer a sessão após a refeição, recomenda-se esperar duas horas para que o processo digestivo seja terminado.
  • Pessoas com alguma das seguintes situações não devem ser submetidas a crioterapia, ou deverão consultar um médico antes de o fazer: estado crítico, descompensação de doenças cardiovasculares crónicas, enfarte agudo do miocárdio, insuficiência cardíaca de fase II, frequência cardíaca com prognóstico desfavorável, pressão arterial elevada ( ≥180 / 100 mm Hg), hemorragia cerebral, doenças vasculares (síndrome de Raynaud, vasculite sistémica, crioglobulinemia, agamaglobulinemia, criofibrinogenemia), febre com mais de 37,5 ° C, tuberculose, tumores malignos, diátese hemorrágica, anemia grave, hipertiroidismo, neurose histérica, intolerância ao frio, urticária ao frio, gravidez e pessoas com menos de 15.

Que precauções devem ser tomadas?

  • Tirar objetos metálicos (brincos, anéis, piercings, etc.)
  • Utilizar proteções para os pés.
  • Entrar na cabina com roupa interior. Soutien e cuecas se for mulher e cuecas se for homem (recomendado material de algodão) e meias.
  • Certifique-se de que a pele está completamente seca.
  • Não use qualquer creme antes da sessão. Deverão ser removidos eventuais resíduos de creme corporal da superfície da pele.
  • Caso tenha piercings que não podem ser retirados, estes deverão ser cobertos com fita adesiva.
  • A cabeça deverá estar fora da cabina, sendo que a cabina é ajustável para esse efeito.
  • O colar de segurança deverá ser colocado e ajustado no pescoço, a fim de evitar a saída dos vapores no sentido do trato respiratório durante a sessão.

Que precauções devem ser tomadas?

• Tirar objetos metálicos (brincos, anéis, piercings, etc.)
• Utilizar proteções para os pés.
• Entrar na cabina com roupa interior. Soutien e cuecas se for mulher e cuecas se for homem (recomendado material de algodão) e meias.
• Certifique-se de que a pele está completamente seca.
• Não use qualquer creme antes da sessão. Deverão ser removidos eventuais resíduos de creme corporal da superfície da pele.
• Caso tenha piercings que não podem ser retirados, estes deverão ser cobertos com fita adesiva.
• A cabeça deverá estar fora da cabina, sendo que a cabina é ajustável para esse efeito.
• O colar de segurança deverá ser colocado e ajustado no pescoço, a fim de evitar a saída dos vapores no sentido do trato respiratório durante a sessão.

Durante a sessão

Quando o equipamento é iniciado, o utilizador deve virar-se lentamente num ângulo de 360º , para o lado esquerdo e direito.

Qualquer desconforto ou inconveniência sentidos durante a sessão deverá ser comunicado ao pessoal.

O utilizador pode sair da cabina a qualquer momento, bastando para tal empurrar a porta ligeiramente. No caso de isso acontecer, a sessão terminará.

Caso tenha outras dúvidas, por favor entre em contacto com a nossa equipa médica Cryosense preenchendo o formulário.

Após a sessão

Caso detete qualquer efeito indesejado, deverá informar o pessoal que o atendeu para receber as explicações e o correspondente acompanhamento.

Quem usa a crioterapia?

Está a observar-se um aumento generalizado da utilização da crioterapia no desporto de alta competição. Nos EUA, este tipo de tratamento é implementado entre clubes e atletas, a fim de cuidar da sua preparação e recuperação. O crescimento desta técnica é igualmente notável a nível mundial.

A maioria das equipas da NBA, basebol e futebol americano faz uso regular da crioterapia. Grandes estrelas do desporto como Cristiano Ronaldo, LeBron James, Conor McGregor, Gareth Bale e muitos outros também usam este tratamento como parte da sua preparação. Por exemplo, o Real Madrid, Villarreal, UD Las Palmas e Arizona Cardinals têm a sua própria cabina Cryosense.

Fora do mundo do desporto, alguns países como a Polónia prescrevem até 20 sessões de crioterapia através do sistema de saúde público para tratar pacientes com dor (aguda ou crónica) ou problemas inflamatórios.